Juntas ressaltam que músico morto por policiais foi mais uma vítima de racismo institucional

quarta-feira, 10 de abril de 2019


A deputada Jô Cavalcanti , do mandato coletivo Juntas (PSOL), afirmou, em discurso nesta terça (9), que o racismo institucional está por trás da morte do músico Evaldo dos Santos Rosa, que teve o carro fuzilado com mais de 80 tiros no Rio de Janeiro. Os disparos foram feitos por militares do Exército, no último domingo, quando o veículo passava numa rodovia da Zona Oeste do município.

A psolista refutou a explicação preliminar de um delegado da Polícia Civil fluminense de que o carro teria sido alvejado “por engano”. “Isso é um retrato de como as instituições estão tratando a vida de pessoas negras no Brasil. Será mesmo que foi engano ou foi pela cor da família que estava dentro do veículo?” questionou.

Jô classificou como racismo institucional o tratamento diferenciado às pessoas negras por organizações, empresas “e, principalmente, pela polícia”, que as coloca em situação de desvantagem no acesso a serviços públicos e nas relações sociais.

A deputada criticou a Lei nº 13.491/2017, que estabelece que crimes dolosos contra a vida cometidos por militares sejam julgados pela Justiça Militar, e o Projeto Anticrime do ministro da Justiça Sérgio Moro, que amplia o conceito de legítima defesa. “A população negra está sendo morta, principalmente os jovens que são abordados nas periferias. Precisamos lutar por humanidade. Vidas negras importam”, concluiu.
Últimas Postagens

Facebook

Visualizações de página