Capoeira se torna Patrimônio Cultural Imaterial de Pernambuco

quinta-feira, 1 de novembro de 2018


Reconhecida pela Unesco como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil desde 2010 e da Humanidade desde 2014, a capoeira agora ganha o título em Pernambuco. A lei que torna a dança um patrimônio do estado foi assinada nesta quarta-feira (31) perlo governador Paulo Câmara (PSB). A capoeira tem basicamente três estilos: Um conhecido como capoeira de angola, de estilo mais lento e com golpes mais próximos ao chão, outro com golpes rápidos e secos, sem acrobacias e um último que mistura os dois estilos, o mais praticado. De acordo com Paulo Câmara, a manifestação será levada para as escolas da rede estadual de ensino. “Vamos levar essa manifestação cultural para as nossas escolas e dar condições de nossos jovens conhecerem, se aprofundarem e se interessarem para que ela faça parte da vida deles. Queremos desenvolver atividades que tragam o bem e a capoeira faz exatamente isso”, disse.

“Sabemos que a capoeira tem uma forte incidência sobre a população pernambucana. Antigamente, a capoeira era marginalizada. Hoje, ela é reconhecida como um esporte tanto cultural como também musical. Em decorrência de todo esse processo, começamos a estudar para tornar a capoeira um bem imaterial cultural de Pernambuco”, afirmou o autor do Projeto de Lei, o deputado estadual Zé Maurício. Contramestre de capoeira e pesquisador da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Henrique Kohl, mais conhecido como Tchê, relatou que a valorização da capoeira é uma demanda heterogênea acumulada historicamente e que chega para reconhecer a dimensão identitária do bem cultural no Estado de Pernambuco. “Essa lei vem para valorizar uma capoeira que chega a inúmeras esferas sociais, uma capoeira que estabelece relações horizontais, que tem dimensões educativa, inclusiva e cidadã muito fortes”, destacou o pesquisador, que presenteou o governador com um exemplar do livro Educação e Capoeira, de sua autoria.

Em nome dos mestres, contramestres e professores presentes, o Mestre Coca Cola agradeceu ao governador Paulo Câmara e frisou que a capoeira, a cada ano que passa, vem sendo mais reconhecida. “Nos sentimos honrados por estarmos vivendo esse momento. A cada ato como esse de que participo, me vejo saindo um pouco da senzala. A capoeira ainda está muito deslocada devido às consequências da sociedade, porém, cada dia mais, vamos saindo dessa realidade”, frisou.
Últimas Postagens

Facebook

Visualizações de página