Laura Gomes pede ação do governo e da Alepe para reprimir a violência política

quinta-feira, 11 de outubro de 2018


Preocupada com a escalada da violência política em todo o País, a deputada estadual Laura Gomes (PSB) propôs ao governador Paulo Câmara a criação de uma força-tarefa integrada pelas Polícias Civil, Militar e Federal, além da Justiça, para atuar na repressão à brutalidade de indivíduos ou grupos, movidos por questões partidárias. Além disso, a socialista vai mobilizar a Comissão de Direitos Humanos da Alepe e a Comissão da Mulher para discutir estratégias de enfrentamento da situação que pode ser considerada como de alta gravidade, conforme observou a parlamentar que representa Caruaru.

A deputada falou na Tribuna da Alepe, na manhã desta quarta-feira (10), e citou o recente ataque a uma jornalista, domingo passado, no Recife, por dois homens que a ameaçaram de estupro e chegaram a feri-la com instrumentos cortantes. Destacou, também, o assassinato do capoeirista baiano, Mestre Moa. Em ambos os casos os agressores se colocaram como partidários do candidato Jair Bolsonaro (PSL), conforme observou a Laura Gomes, baseada no registro das ocorrências policiais. “Para nós, todos somos cidadãos brasileiros e temos o mesmo direito à liberdade de expressão e ao respeito à nossa integridade física. Essa é a regra da Constituição e ninguém pode ficar acima dela”, observou a socialista.

A deputada pretende desenvolver contatos com partidos políticos e entes da sociedade civil buscando formar uma ampla frente contra a escalada de violência política que aumentou após o resultado do primeiro turno da eleição presidencial com a maioria das agressões dirigidas contra eleitores do candidato Fernando Haddad (PT).

Entre algumas ações imediatas sugeridas ao Governo do Estado consta a criação de um serviço como o Disque Denúncia, específico para questões da violência política, e do envolvimento do Tribunal Regional Eleitoral no acompanhamento dos fatos registrados, além de um chamamento à TV, rádio e imprensa para que se engajem numa divulgação forte tanto de eventuais ocorrências como de mensagens conclamando à paz e ao respeito pela cidadania. “Não podemos ficar parados vendo os efeitos nefastos do discurso do ódio pregado pelo candidato Bolsonaro”, concluiu Laura Gomes.
Últimas Postagens

Facebook

Arquivo do blog

Visualizações de página