CCJ da Câmara rejeita investigação contra Temer e blinda governo ilegítimo

quinta-feira, 13 de julho de 2017


A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados rejeitou, no final da tarde desta quinta-feira (13/207), o parecer do deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), que pedia a abertura, no Supremo Tribunal Federal (STF), da investigação contra o presidente Michel Temer. De toda forma, o tema vai ao Plenário da Casa.

Por 40 votos a 25, os deputados da base de apoio do governo selaram o acordo que vinha sendo costurado pra que o presidente ilegítimo seja absolvido da denúncia do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, por crime de corrupção passiva no esquema delatado por Joesley Batista, dono da holding J&S.

O relator, Sérgio Zveiter, do mesmo partido de Temer, se manifestou logo após o encerramento dos debates na CCJ, em que mais de 90 deputados discursaram com argumentos favoráveis ou contrários ao parecer. Em 20 minutos, destoando da postura mais discreta que vinha adotando até o momento, Zveiter fez declarações de forma enfática e reafirmou seus argumentos a favor da autorização para que a denúncia seja investigada pelo STF. O relator reiterou, em boa parte do discurso, que a denúncia da PGR apresenta indícios “seríssimos” contra o presidente e que, por isso, deveria ser investigada para esclarecimento dos fatos à sociedade.

Os deputados do PSOL denunciaram, ao longo dos últimos dias, as manobras que vinham sendo feitas para blindar Temer da denúncia de Janot. O membro titular do partido na CCJ, Chico Alencar (RJ), votou a favor do parecer e criticou o acordão que estava em andamento. Ele disse que aquela reunião jogava o “jogo de cartas marcadas, viciada pela toma política de toma-lá-dá-cá”.

O líder Glauber Braga (RJ) e os deputados Ivan Valente (SP) e Edmilson Rodrigues (PA) também se posicionaram durante a sessão, enfatizando o voto do PSOL, e consideraram um absurdo a possibilidade de a maioria decidir em favor do presidente ilegítimo, quando há fatos que comprovem o seu envolvimento no esquema de corrupção.

Agora, o parecer contrário à investigação será apreciado pelo plenário da Câmara, onde são necessários ao menos 342 votos favoráveis para que a investigação seja autorizada. Uma campanha na internet orienta que a sociedade pressione os deputados a votarem pela investigação de Temer. O site 342Agora é uma iniciativa inovadora, surgida a partir de diversos encontros entre artistas e intelectuais, que se uniram para pedir que o presidente ilegítimo seja cassado.
Últimas Postagens

Visualizações de página

Facebook