Ministério Público Federal do RJ processa Bolsonaro por ataques racistas

quinta-feira, 13 de abril de 2017


O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro protocolou nesta segunda-feira (10/04) processo contra o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC/RJ) por danos morais coletivos a comunidades quilombolas e à população negra como um todo.

Na última semana, o deputado, conhecido por suas posições abertamente homofóbicas, racistas e machistas, esteve em evento no Clube Hebraica, na capital carioca, e afirmou que visitou uma comunidade quilombola e disse, sobre os moradores: “não fazem nada, eu acho que nem pra procriar servem mais”. Bolsonaro também afirmou: “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas”.

Para o MPF, as falas do deputado “desumanizam as pessoas negras, retirando-lhes a honra e a dignidade ao associá-las à condição de animal”. Na ação, o órgão caracteriza as suas expressões de injuriosas, preconceituosas e discriminatórias e afirma que tiveram a intenção clara de “ofender, ridicularizar, maltratar e desumanizar as comunidades quilombolas e a população negra”.

Se condenado, o deputado terá que pagar R$300 mil como indenização coletiva por danos morais causados ao povo quilombola e à população negra, que deve ser revertida em projetos para valorizar a cultura dos quilombos.

Bolsonaro é réu no STF por apologia ao estupro, em caso de grave agressão verbal contra a deputada Maria do Rosário (PT/RS), e também é alvo de processo no Conselho de Ética da Câmara por defender a tortura.
Últimas Postagens

Facebook

Visualizações de página