Educação recebe sugestões ao projeto que modifica Sistema de Incentivo à Cultura

quinta-feira, 23 de março de 2017



A Comissão de Educação e Cultura recebeu, nesta quarta (22), representantes do Estado, gestores municipais, produtores e agentes culturais em uma audiência pública sobre as mudanças no Sistema de Incentivo à Cultura (SIC) previstas no Projeto de Lei nº 1157/2017. Os posicionamentos expressos serão discutidos até a próxima semana – quando a proposta do Poder Executivo deve ser votada pelo colegiado – e integrarão o parecer da relatora e presidente da Comissão, deputada Teresa Leitão (PT). A Secretaria de Cultura se comprometeu a incorporar parte das sugestões apresentadas durante a reunião.

Entre outras medidas, o PL 1157/2017 recria o mecenato cultural (patrocínio privado a projetos em troca de isenções fiscais) e institui o Crédito Pernambucano de Incentivo à Cultura (Credcultura), por meio do qual serão concedidos empréstimos financeiros aos produtores. Os dois novos mecanismos contarão com fundos de financiamento próprios.

Em relação ao Funcultura, a matéria determina que haja um orçamento anual mínimo de R$ 36 milhões e institui percentuais fixos por categoria, incluindo duas novidades: o Funcultura Governamental, para ações dos municípios e administração do SIC, e o Microprojeto Cultural, destinado a produções de baixo orçamento. O projeto prevê, ainda, a realização de concurso público para atuação na administração do SIC, no prazo de dois anos.

Teresa Leitão apresentou sugestões para adequar a redação da proposta à Lei Estadual nº 15.307/2014, que disciplina a promoção e o fomento ao audiovisual. A parlamentar solicitou, também, que as indicações dos conselhos estaduais de Política Cultural e de Preservação do Patrimônio Cultural para as comissões Deliberativa do Funcultura e de Análise de Projetos (CAP), respectivamente, não possam incluir seus próprios integrantes. A petista sugeriu, ainda, que produções de cinema e vídeo apoiadas pelo SIC disponibilizem cópia com audiodescrição para atender deficientes visuais – o projeto mencionava apenas legenda em Português para os deficientes auditivos. As três propostas foram acatadas pela Secretaria de Cultura.

A deputada também questionou, referindo-se ao Funcultura Governamental (que receberá 7% das verbas distribuídas anualmente), a possibilidade de produtores independentes concorrerem com entes governamentais por verbas que lhes seriam direcionadas. “As ações de fomento a projetos do Estado já estão previstas nas leis orçamentárias. Esse recurso deveria ser redistribuído para os editais destinados à sociedade”, avaliou Teresa.

O secretário estadual de Cultura, Marcelino Granja,  argumentou que a nova categoria se justifica pelos gastos gerados para o Estado com a retirada de taxas que eram deduzidas do produtor, como a de administração e fiscalização, e para que as transferências entre fundos estaduais e municipais ocorram por meio de editais.

“Os editais existem hoje por um pacto político, mas a parte governamental, em tese, poderia chegar a 100%. Estamos criando a obrigação legal para os editais e estabelecendo que essa parte não pode passar de 7%”, disse Granja. “Não podemos investir apenas na produção independente. Precisamos cuidar dos equipamentos públicos, justamente para que essa produção possa circular”, acrescentou a presidente da Fundarpe, Márcia Souto.

Participação da sociedade – Representantes da Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-Metragistas em Pernambuco/Associação Pernambucana de Cineastas, Pedro Severien e Carla Francine manifestaram preocupação com a possibilidade de o mecenato gerar concentração em determinados produtores e linguagens artísticas.

“Entendo a motivação do Funcultura Governamental, mas discordo. O dinheiro do fundo deveria ser para a produção independente do Estado, porque resulta de muita batalha da classe cultural, e não de governos e municípios. Também seria importante a lei reforçar valores democráticos, afastando, por exemplo, a possibilidade de censura”, apontou Carla.

Outros participantes criticaram a burocracia na administração do SIC e demandaram mais transparência na prestação de contas e medidas – como cotas e ações afirmativas – para inclusão de minorias. “Povos tradicionais, de matriz africana e indígenas, muitas vezes não conseguem avançar com seus projetos, se não têm produtor”, ressaltou Thiago Nagô, da Brigada Civil de Proteção ao Patrimônio Cultural.

Marcelino Granja afirmou que o mecenato cultural será acompanhado de medidas para evitar a concentração, como a criação da Comissão de Análise de Projetos (CAP). Quanto ao debate sobre políticas de cotas, segundo ele, isso precisa ser feito no âmbito do Plano Estadual de Cultura e dos editais de cada categoria do Funcultura. Essas e outras reivindicações serão analisadas pela Comissão de Educação para possível inclusão no parecer, que deverá ser votado na reunião da próxima quarta (29).


Últimas Postagens

Facebook

Arquivo do blog

Visualizações de página