Escolas estaduais de Surubim sofrem com a saída de excelentes professores e gestores

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Foto: Fábio Cabral

Alguns fatos minimamente estranhos vêem ocorrendo em Surubim nos últimos meses. Todos sabem que Surubim se notabilizou como sendo um grande polo intelectual da região, concentrando cinco (05) escolas estaduais, dentre as quais a Escola Técnica Estadual (ETE), vindas com muito esforço através do saudoso Eduardo Campos e dos deputados Nilton Mota e Danilo Cabral. Vamos enumerar alguns dos problemas mais visíveis falados pela população surubinense: Acontece que a população estudantil surubinense desloca-se para Limoeiro à procura de cursos técnicos na área da saúde que poderiam ser ofertados no ETE Surubim.

Já a escola semi-integral Severino Farias não está funcionando mais à noite, deixando uma parcela da população sem saber ao certo onde irão concluir seus estudos. Lá funcionava o EJA.
Ao que parece, a situação mais emblemática é a da escola Maria Cecília e ERNAF. Sobre escola Maria Cecília, fala-se nos bastidores que possui um excelente corpo docente, mas com muitos problemas de gestão, ou seja, de políticas públicas insuficientes ofertadas pelo estado.  Já o ERNAFI sofrera uma evasão de excelentes professores, principalmente em disciplinas como português e matemática, deixando pais e alunos preocupados na manutenção da qualidade do ensino-aprendizagem que vinha sendo oferecido até então.
Fica aqui um apelo às autoridades sobre um problema na qualidade da educação em Surubim que sempre foi um espelho de gestão e qualidade para Pernambuco e para o Brasil.  

Últimas Postagens

Visualizações de página

Facebook