DEM acusa Dilma de fechar “caixa-preta” do BNDES

sexta-feira, 22 de maio de 2015

 O líder do DEM na Câmara dos Deputados, Mendonça Filho (PE), disse que a decisão da presidente Dilma Rousseff em manter sob sigilo as operações de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem como objetivo "esconder as operações envolvendo governos amigos e autoritários, como Cuba".

A crítica do democrata se deve ao veto presidencial de parte da Medida provisória 661, que previa a quebra dos sigilos nas operações do banco, além de assegurar crédito de R$ 30 bilhões à instituição. A sanção da MP e o veto presidencial foram publicados nesta sexta-feira (22) no Diário Oficial da União.

"O Governo Dilma e o PT querem esconder as operações envolvendo governos amigos e autoritários, como Cuba. Por isso, não abre a caixa preta de um banco Público. O País precisa saber como são feitas essas operações", cobrou Mendonça Filho. Segundo ele, existem diversas operações de crédito sob suspeita, como o financiamento utilizado na construção do Porto de Mariel, em Cuba. O aporte do BNDES para a construção do porto cubano foi de US$ 682 milhões.

"Essa postura do Governo Dilma e do PT de vetar todas as tentativas de quebra de sigilo do BNDES é inaceitável. Cadê a transparência tão propagada pelos petistas?", questionou o parlamentar.
Últimas Postagens

Facebook

Visualizações de página